O líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado estadual Wilson Santos (PSDB), rebateu a afirmação do presidente do diretório estadual do PSB, deputado federal Fábio Garcia, de que a legenda tucana deveria vetar a aliança com o PMDB nos 141 municípios de Mato Grosso, e não somente em Cuiabá. O veto ao PMDB é exigência para os tucanos apoiarem a reeleição do do prefeito Mauro Mendes (PSB).

“Os dirigentes do PSB estão com tempo sobrando para cuidar do PSB e do PSDB. Se estão com peninha, que fique com o PMDB, nós vamos seguir nosso rumo”, disse o deputado em entrevista ao jornal do Meio Dia, transmitido pela TV Record.

Na composição das alianças em Cuiabá, o PSB do prefeito Mauro Mendes mirava, inicialmente, aliança com o PSDB e o PMDB. A composição era vista como fundamental para “liquidar a fatura” já no primeiro turno.

Porém, o PSDB, que tem como principal liderança o governador Pedro Taques, tem rejeitado o PMDB sob o argumento de que o chefe do Executivo foi eleito pregando oposição ao ex-governador Silval Barbosa. O presidente do diretório estadual do PSDB, deputado federal Nilson Leitão, também já manifestou publicamente sua contrariedade à aliança com o PMDB em Cuiabá.

O deputado Wilson Santos reiterou que o PSDB vinha mantendo diálogos com a possibilidade de indicar o candidato a vice-prefeito na chapa encabeçada pelo PSB e que o partido já tinha se comprometido a atender duas reivindicações dos tucanos. Porém, se o PSB entender que o melhor é a aliança com o PMDB, o partido não se sentira prejudicado.

“O PSB tem a total liberdade. Se quiser marchar com o PMDB, assuma seus parceiros e as suas consequências. Isso é democrático. O PSDB seguirá com seu caminho livre para construir outros projetos”, assinalou.

Após o “veto” na aliança do prefeito, o PMDB sinaliza em lançar candidatura própria na capital. A legenda, inclusive, tem como pré-candidatos o jornalista José Marcondes, o “Muvuca”, e os recém-filiados deputado federal Valtenir Pereira e o deputado estadual Emanuel Pinheiro.

 

 

 

 

 

fonte ; folha max

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *