Os equipamentos utilizados durante as cirurgias e procedimentos feitos pelas equipes do centro cirúrgico do Hospital e Pronto-Socorro Municipal de Cuiabá (HPSM) não são esterilizados. O apontamento está no relatório feito pela assistência social vinculada à 7ª Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital, que recebeu denúncias a respeito da falta de condições na prestação dos serviços de anestesia na unidade, feitas pelo Conselho Regional de Medicina e da Cooperativa dos Médicos Anestesiologistas do Estado de Mato Grosso (Coopanest).

Com o relatório, o promotor Alexandre Guedes abriu uma investigação e notificou o secretário municipal de Saúde, Ary Soares, estabelecendo 60 dias para que o gestor tome as providências necessárias para a regulação dos serviços.

O relatório, feito no início de março desse ano, a pedido do Ministério Público Estadual, aponta que os aparelhos não têm a higiene adequada e que o correto seria esterilizar o aparelho para ser utilizado em outro paciente, o que não ocorre. “(…) é relatado que simplesmente é lavado com água e sabão e usado em outro paciente, podendo ocorrer se caso o paciente possuir contaminação passar para outro, pois, por mais que lava, não esteriliza”, diz trecho do relatório.

Consta ainda que os aparelhos de anestesia não funcionam bem, pois não recebem a manutenção adequada. Além disso, os aparelhos de anestesia que deveriam ter em cada sala de centro cirúrgico, embora conste em todas as salas, se encontram incompletos sem as devidas funções.

Os profissionais relataram que não têm nenhuma manta térmica e que quando necessário é feito “gambiarra”. “Relataram que no ano passado, em uma cirurgia da neurologia com uma criança, foi feita a compra individual e entregue no setor, no entanto, hoje o setor não possui a manta e caso chegar um paciente e precisar fazem ‘gambiarra’”, diz trecho do relatório.

Na vistoria foi identificado ainda que os pacientes que se encontravam em recuperação anestésica estavam no corredor, entre o posto do centro cirúrgico e a sala de recuperação pós-anestésica, a equipe do centro cirúrgico justificou que isso acontece porque não há estrutura na sala de recuperação pós-anestésica, além da falta de recursos humanos para manter os pacientes dentro da sala.

Equipamentos e remédios

Conforme as denúncias feitas ao Ministério Público Estadual pelo Conselho Regional de Medicina e a Cooperativa dos Médicos Anestesiologistas do Estado de Mato Grosso (Coopanest), além da falta de condições mínimas para a realização dos serviços de ato anestésico no Pronto-Socorro, ainda faltam equipamentos, medicamentos e manutenção periódica dos equipamentos existentes na unidade.

Na vistoria feita a pedido do MPE-MT, foi identificada a ausência de um cronograma para manutenção desses equipamentos, que deveria ser realizada mensalmente. Além disso, foi relatado que todas as salas de recuperação pós-anestésicas, assim como as salas cirúrgicas da unidade, estão com uma série de inconformidades que ocasionam a falta de infraestrutura para os serviços oferecidos.

O centro cirúrgico, por exemplo, que possui cinco salas de cirurgia, tem somente quatro usadas para grandes cirurgias. “As salas deveriam ser todas equipadas com aparelhos específicos, no entanto, cada uma foi equipada de forma desigual”, diz o relatório. Segundo a vistoria, apesar das cinco salas existe apenas um “limite de volume ventilatório de 20mL”, adaptador para fazer a sedação e anestesia específica para criança, para atender a demanda cirúrgica.

Outro lado

Por meio de nota, a secretaria municipal de Saúde informou que a atual gestão está trabalhando para atender a demanda da saúde em Cuiabá e que a recomendação feita pelo MPE-MT será analisada e atendida, dentro da capacidade do município.

“A gestão do município e da saúde tem se esforçado no sentido de dotar as unidades da rede pública das melhores condições possíveis para atender a demanda da população, mesmo numa situação bastante complicada que o país e Cuiabá vivem neste momento. A atual gestão sempre trabalhou junto com os órgãos parceiros preocupados com as necessidades da população e vai continuar trabalhando nesse sentido”.

fonte; gazeta digital

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *