Número de queimadas no Pantanal é o maior em mais de 20 anos

Ao menos 100 mil hectares já foram destruídos no Pantanal de Mato Grosso pelas queimadas que, há quase 20 dias, atingem a região no município de Poconé (100 km ao Sul de Cuiabá).

Do total de queimados, aproximadamente 35 mil são na área da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), a maior do país, com 108 mil hectares.

Até terça-feira (11) pela manhã, o bioma, que também abrange parte do vizinho Mato Grosso do Sul, registrava 6.388 focos de calor, um aumento de 259% se comparado ao ano passado (1.778), conforme dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Esta é a maior quantidade já registrada pelo órgão desde 1998, quando o monitoramento começou a ser realizado.

O número também supera, por exemplo, a quantidade registrada em 2018, com 358 focos de incêndio.

Ao todo, o Estado contabiliza 11.770 pontos de queimadas, o que representa um crescimento de 9% em relação a 2019, com 10.768 ocorrências.

Ainda não se sabe a origem do fogo no Pantanal mato-grossense, mas acredita-se que tenha sido causado pela ação humana.

“Neste ano, a seca está sendo bem mais severa”, afirmou a gerente de pesquisa e meio ambiente do Sesc Pantanal, a bióloga Cristina Cuiabália à agência FolhaPress.

“Existe uma perda em massa de grupos que não têm chance de fuga, como insetos, animais vertebrados lentos, como o tamanduá-bandeira e répteis”. A bióloga diz que o incêndio também destrói ninhadas de diversas aves que se reproduzem nesta época do ano, como as araras. “Para avifauna, é uma grande perda, uma geração a menos no ciclo dos grupos”, citou.

O combate às chamas é feito por uma força-tarefa formada pelo Corpo de Bombeiros, brigadistas do Ibama, Sesc Pantanal e as Forças Armadas, que atuam dentro da operação “Pantanal”.

Segundo informações do Ministério da Defesa, no Estado, estão sendo empregados o Super Cougar (UH-15) da Marinha, o Black Hawk (UH-60) e o Amazonas (C-105) da Aeronáutica para voos de reconhecimento, lançamento de água e transporte de brigadistas, fuzileiros navais e bombeiros militares.

“Dois aviões Air Tractor do Corpo de Bombeiros auxiliam com o lançamento de água. As ações contam, ainda, com o apoio de maquinário, caminhões pipa, entre outros meios terrestres”, informou.

REEDUCANDOS – O Poder Judiciário autorizou que dez presos do complexo penitenciário de Várzea Grande reforcem a operação de combate aos incêndios no Pantanal por dez dias.

Eles serão monitorados com tornozeleiras e supervisionados por dois policiais penais.

Fonte ; diariodecuiaba
0 Shares:
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like
Leia Mais

URGENTE: E AGORA MANDETTA?

O empresário Edson Torres afirmou nesta quarta-feira (13), em depoimento no processo de impeachment do governador afastado Wilson Witzel (PSC),…