O Fórum Sindical – entidade que representa os servidores públicos do Estado – cobrou respostas do Governo do Estado em relação ao pagamento do funcionalismo público. A categoria analisa a possibilidade de entrar em greve, caso os repasses não sejam feitos até o dia 10.

 

Por meio de um ofício encaminhado aos secretários da Casa Civil, Max Russi, e de Gestão, Júlio Modesto, o Fórum Sindical pediu explicações do Executivo em relação ao pagamento correspondente a novembro dos ativos, aposentados e pensionistas.

 

No texto, a entidade argumentou que os atrasos nos salários – que foram escalonados nos dois últimos meses – vêm trazendo diversos prejuízos à categoria.

 

“Cabe salientar que a preocupação das entidades pertencentes ao Fórum Sindical se baseia na mudança realizada pelo atual Governo na data de pagamento dos subsídios, passando do último dia útil do mês para o dia 10 e mesmo assim ocorrendo atrasos, onde ambas situações acarretaram prejuízos financeiros e danos morais aos servidores públicos perante aos credores, fornecedores, prestadores de serviços, bancos, dentre outros compromissos”, diz trecho do ofício.

 

O Fórum ainda cobrou que o Executivo se posicione a respeito da compensação das perdas e prejuízos financeiros ocorridos em razão dos escalonamentos de salários.

 

O secretário disse que o Estado está precisando de alguns recursos extras entrarem no caixa para que possam pagar os salários

O pedido de respostas da entidade foi protocolado na quarta-feira (6). Na data, eles chegaram a se reunir com o secretário Max Russi, que informou que ainda não havia nenhuma resposta em relação ao pagamento deste mês nem sobre a quitação dos 13º dos servidores que comemoram aniversário em novembro ou dezembro.

 

O presidente do Sindicato dos Servidores da Saúde e Meio Ambiente (Sisma-MT), Oscarlino Alves, informou que Russi argumentou que o Estado ainda está contando com recursos federais, como o FEX (Fundo de Auxílio Financeiro para Fomento das Exportações), que destinará R$ 496 milhões ao Estado, e emendas da bancada federal.

 

“O secretário disse que o Estado está precisando de alguns recursos extras entrarem no caixa para que possam pagar os salários. Mas ele disse que existe a possibilidade, por meio de recursos que podem entrar na Receita do Estado, de pagar os aposentados e pensionistas ainda nesta quinta-feira”, disse.

 

“Há uma lei específica que determina que os aposentados e pensionistas devem receber até o último dia útil do mês. Por isso estamos fazendo essa cobrança, porque os salários deles já estão atrasados”, completou.

 

Ele também comentou que foi informado, na quarta-feira, que o Executivo, caso escalone novamente os pagamentos, fará os repasses de modo estratificado.

 

“O secretário-adjunto de Gestão, Carlos Campelo, nos disse que a folha vai ser lançada no mesmo conceito feito anteriormente, que é pagar de forma escalonada os que ganham até uma faixa salarial, depois outra e assim por diante. Pagar dos menores salários para os maiores, pois ele falou que tem impeditivo no próprio sistema de gestão de pessoas, que não permite fazer a estratificação de forma igualitária, ou seja, pagar um pouco dos salários de todos os trabalhadores”, declarou.

 

Possibilidade de greve

 

Em razão da falta de esclarecimentos do Executivo e dos possíveis escalonamentos salariais em dezembro, Alves mencionou que servidores de diversos sindicatos devem se reunir na próxima segunda-feira (11), para discutir a possibilidade de greve.

 

“Algumas categorias começaram a realizar assembleias gerais para consultar o grupo. Existe a possibilidade de greve, sim, mas temos que aguardar até segunda-feira”, pontuou.

 

“Há categorias com encaminhamento e podem entrar em greve, como os gestores governamentais, peritos criminais e professores da Universidade Estadual de Mato Grosso. Mas vamos aguardar o início da semana que vem, para vermos o que iremos fazer”, acrescentou.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *