Presidente da Assembleia Eduardo Botelho (PSB) está com fornecedores em atraso

O presidente da Assembleia Eduardo Botelho (PSB) afirma que os prestadores de serviço do Legislativo ainda não receberam em razão do atraso no duodécimo. “O problema é que passou o duodécimo que se refere ao salário”, disse o socialista em entrevista à Rádio Capital FM, nesta terça (5).

Na última sexta (1º de dezembro), o governo repassou R$ 107 milhões para os Poderes pagarem os salários dos servidores. Deste montante, R$ 20 milhões foram destinados à Assembleia. O Ministério Público foi contemplado em R$ 22,7 milhões. O maior repasse foi para o Tribunal de Justiça, chegando a R$ 63,8 milhões.

Botelho lembra que o governo deve R$ 80 milhões referentes ao duodécimo. Outros R$ 25 milhões o Legislativo abriu mão, somando assim, R$ 100 milhões que não foram repassados. “O custeio é o problema, pagamento combustível, locação de carro”, exemplifica.

A Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2017 prevê repasses aos Poderes e órgãos autônomos na ordem de R$ 770 milhões. Deste total, cerca de R$ 300 milhões estavam em atraso e sendo cobrados do Executivo. O duodécimo da Assembleia é de R$ 514,6 milhões.

O governo tenta administrar a crise causada pela queda na arrecadação. Além do atraso no repasse constitucional aos Poderes, também precisou escalonar e pagar os salários dos servidores do Executivo referentes a outubro atrasados.

Para o governo, a crise só será contornada antes da virada do ano com a liberação do dinheiro do Auxílio Financeiro de Fomento às Exportações (FEX) de quase R$ 500 milhões. Nessa quarta (29), Taques conseguiu a liberação de R$ 110 milhões para Mato Grosso referente a uma dívida que a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) tem com o Estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *