O ministro da Justiça e Segurança Pública, Torquato Lorena Jardim, autorizou a Polícia Federal a periciar todos os equipamentos apreendidos durante as investigações da Polícia Civil referentes ao esquema de escutas clandestinas no âmbito da Polícia Militar de Mato Grosso.

O pedido foi feito pelo desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Orlando Perri, responsável por autorizar 6 inquéritos dos grampos ilegais no  TJ. O objetivo é evitar que haja qualquer obstrução na investigação já que esta envolve militares de alta patente que até pouco tempo integravam o estaff do atual do governo de Mato Grosso.

 

Deverão ser periciados celulares, computadores, notebooks, tablets e todos os materiais eletrônicos apreendidos durante as investigações, principalmente aqueles apreendidos na Secretaria de Segurança Pública (Sesp) durante a Operação Esdras, deflagrada pela Polícia Civil para cumprir ordens judiciais.

Na ocasião, Perri determinou a prisão de oito envolvidos no esquema dos grampos ilegais, além de 15 mandados de busca e apreensão e uma condução coercitiva.

Leia mais – Chefes da Sejudh, Sesp e mais 2 ex-secretários são presos por grampos

“Informo que a PF poderá prestar o apoio necessário na realização de perícias criminais referentes às investigações presididas por Vossa Excelência quanto à possíveis interceptações telefônicas ilegais ocorrida no Estado de Mato Grosso”, diz trecho do ofício emitido pelo Diretor de Investigação e Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal, Maurício Leite Valeixo.

Ainda segundo o documento, Perri deverá indicar quais os quesitos deverão ser respondidos pelos peritos criminais a fim de contribuir para a elucidação do esquema que teria vitimado centenas de pessoas entre políticos, jornalistas e membros do Judiciário.

“Solicito que Vossa Excelência remeta o equipamento a SR/PF/MT para que a perícia criminal possa adotar providências necessárias para tentar extrair do equipamento mecionado”, diz trecho do documento.

Estão presos por suposta participação no esquema o ex-secretário de Justiça e Direitos Humanos, coronel Airton Benedito Siqueira Júnior, o ex-secretário de Segurança Pública, Rogers Jarbas, o sargento João Ricardo Soler e o major Michel Ferronato, ambos da Polícia Militar.

Também estão presos o ex-secretário chefe da Casa Civil, Paulo Taques, o ex-chefe da Casa Militar, Evandro Lesco, e sua esposa, Helen Christy Carvalho Dias Lesco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *