O ex-governador Silval Barbosa (PMDB) afirmou que o deputado estadual Guilherme Maluf recebeu R$ 4 milhões em propina do plano de saúde dos servidores do Estado, o MT Saúde, em 2012.

 

Parte da propina, segundo Silval, teria sido usada por Maluf para pagar uma dívida que ele possuía com o empresário Valdir Piran.

 

A acusação consta na delação premiada feita pelo ex-governador ao Ministério Público Federal (MPF), e homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

 

De acordo com Silval, naquele ano o Governo devia R$ 40 milhões aos hospitais que prestavam serviços para o MT Saúde.

 

Que o declarante se comprometeu com Guilherme Maluf em autorizar o pagamento desses valores atrasados com o MT Saúde, o que foi feito em 8 vezes, restando também combinado que manteria em dia os pagamentos vencidos a partir daquele momento

Ele disse que foi procurado pelo então secretário de Administração, César Zílio – responsável por gerenciar o programa – e o deputado Guilherme Maluf, que pediram que a dívida fosse quitada. “Eis que, com tais pagamentos, os proprietários dos hospitais passariam para Guilherme Maluf um percentual de 10% do total devido”.

 

Na delação, Silval relatou que a maior parte da dívida do Governo era com o Hospital Santa Rosa, que tinha como sócio proprietário o deputado estadual. Segundo o ex-governador,  Maluf disse que já teria combinado com os demais sócios para receber o percentual.

 

Ainda de acordo com o ex-governador, Maluf teria dito que, com o dinheiro da propina, quitaria uma dívida que possuía com Piran, de aproximadamente R$ 2 milhões.

 

“Que o declarante se comprometeu com Guilherme Maluf em autorizar o pagamento desses valores atrasados com o MT Saúde, o que foi feito em 8 vezes, restando também combinado que manteria em dia os pagamentos vencidos a partir daquele momento”, diz trecho da delação.

 

Conforme Silval, além do pagamento vindo dos hospitais, houve também o repasse de propinas de uma empresa que administrava o plano MT Saúde, a Remanso Prestadora de Serviços e Terceirizados Ltda.

 

“Que a empresa Remanso devolveu como retomo a quantia aproximada de R$ 2,5 milhões pagos a Cesar Zilio”, diz outro trecho da delação.

 

O ex-governador disse que além de Cesar Zilio, o ex-secretário adjunto da Casa Civil Adjaime Ramos de Souza também recebeu parte do dinheiro dessa propina.

 

“Que Cesar Zilio afirmou ao declarante ter repassado a Adjaime o montante de R$ 500 mil além de ter entregue ao declarante o valor de R$ 500 mil acreditando ter sido em dinheiro, certamente usado pelo declarante para quitar dívidas que possuía com operadores financeiro”, pontuou.

 

Outro lado

 

O deputado Guilherme Maluf disse que nunca pediu ou recebeu vantagem indevida e que as tratativas para resolver o problema do MT Saúde foram feitas em reuniões com a participação de membros da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa e da CPI da Saúde.

 

O parlamentar afirmou, ainda, que a versão do ex-governador é “fantasiosa e mentirosa” e que vai se reportar à Justiça no momento oportuno.

 

Veja fac-símile do depoimento: 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *