Estão abertas as inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) desde as 9 horas da manhã de hoje (8), horário local.

Se inscreva aqui.

 

Cerca de 3 horas depois, mais de 30 mil inscrições já tinham sido efetivadas no site oficial do Enem.

A expectativa é que cerca de 7,5 milhões se inscrevam até o dia 19, às 23h59.

As provas serão aplicadas em dois domingos consecutivos, nos dias 5 e 12 de novembro.

Devido à corrida inicial, o Ministério da Educação já está tendo que lidar com instabilidade no sistema. Alguns alunos relataram via redes sociais que não conseguiram concluir a inscrição, reclamam de lentidão e outras falhas técnicas.

Mas é fácil preencher o questionário de inscrição, que pede CPF e data de nascimento. Em seguida, é necessário que marque a figura solicitada para autenticação no sistema. Endereço e mais alguns dados e pronto: o sistema avisa efetivação da inscrição.

Preço

Além das falhas, os candidatos estão reclamando também do aumento da taxa de inscrição do exame, que esse ano é de R$ 82. No ano passado, o exame custou R$ 68.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) alega que reajustou de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e também incorporou variações de anos anteriores que deixaram de ser aplicadas.

Largada dos estudos

Daqui de Cuiabá a estudante Bárbara Victória Rodrigues, 17, moradora do bairro Nova Conquista, vai fazer a inscrição hoje à tarde, não quer deixar para última hora. Já passou em Nutrição, curso que está cursando na Unic, mas sonha mesmo é com Fisioterapia. Outra coisa que ela quer é entrar na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). “Minha segunda opção continua sendo Nutrição, mas se eu passar em Fisio ou Nutrição, que seja numa Federal”, comenta.

Para isso já começou a estudar porque a experiência do ano passado mostrou a ela que Enem não é fácil.
“Caiu muita coisa que eu tinha estudado e fui bem na redação, tirei 700, o que é uma boa nota para quem está fazendo o teste pela primeira vez. É que apesar de eu ser aluna de escola pública tive uma professora excelente, que me ajudou muito”, diz ela, ex-aluna na Escola Estadual André Avelino.

Durante a semana, ela faz faculdade e assiste a vídeos-aula, mas vai fortalecer os estudos com cursinho aos finais de semana. Se não conseguir, vai emprestar apostilas e estudar em casa com grupo de amigos.

“Achei o Enem bem difícil, se não tivesse estudado não tinha passado”, avalia.

A professora de redação voltada para o Enem, Estéfane Ramirez, ressalta que, quanto à redação, os temas têm muito a ver com os governos e o clima político no país. Nos governos de Lula e Dilma ela diz que caíram temas mais reflexivos e voltados para causas como violência contra a mulher, por exemplo. Neste governo, do presidente Temer, ela vê mais possibilidade de serem escolhidos assunto mais clássicos. No entanto, ressalta que ainda há tempo de, até em novembro, data das provas, “os alunos ficarem por dentro de tudo o que acontece no Brasil e no mundo. “Além das regras da dissertação-argumentativa, é imprescindível saber atualidades! Temas como as redes sociais, educação no Brasil, estética x saúde, conceito de família e também sobre sustentabilidade são essenciais nas redações preparatórias para o Exame”, recomenda. Estes temas, segundo ela, estão entre os 20 temas mais cotados para a redação do ENEM 2017.

Se tiver problemas com inscrições

Caso haja algum problema na hora de inscrição, os candidatos podem acionar o Inep pelo telefone 0800 616161. O atendimento é das 8h às 20h, no horário de Brasília.

Antes da inscrição, o sistema orienta a ler atentamente o Edital do Exame, seus anexos e atos normativos nele mencionados.

O Inep avisa que não se responsabiliza por informações incorretas ou não recebidas por motivos de ordem técnica, como falhas de computadores ou outros que impossibilitem a conclusão da sua inscrição. (Com informações da Agência Brasil)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *