Estimulado pela cúpula nacional do PSB a aderir a um projeto de candidatura majoritária nas eleições de 2018, o que implicaria em ser candidato ao governo do Estado ou Senado, o ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes, rejeita categoricamente produzir qualquer avaliação política neste sentido.

“Eu estou focado em resolver minhas questões particulares. Nunca encarei a política como profissão, mas como meio de contribuição com a sociedade. E hoje é uma análise que ainda não tenho condições de fazer sobre 2018. É muito cedo ainda. Eu sempre fui um homem de focos. Eu olho para alguns objetivos, traço estratégias e aí vou trabalhando. Não adianta eu ficar pensando em 2018, quando eu tenho problemas muito mais relevantes nessa semana, na próxima semana e meses”, declarou.

Mendes ressaltou que apesar da administração privada ser muito diferente da pública, a solução dos problemas demanda tempo e, em muitas situações, esbarra em questões financeiras.

“Todo prefeito é um administrador e não um mágico. Resolver problemas requer planejamento, muita ação e foco. Não é fácil resolver problemas da noite para o dia. Em uma empresa privada, uma pública é mais ou menos isso. Quando entramos na prefeitura de Cuiabá o primeiro ano foi isso, fazer planejamento, construir ações e tudo que entregamos no terceiro e quarto ano, foram ações iniciadas em 2013, no primeiro ano. Na administração privada o tempo é mais rápido, tempo de resposta é mais rápido, o tempo de tomada de decisão também é mais célere. E eu estou focado nisso. Trabalho”, explicou.

Questionado a respeito da posição do PSB de apoiá-lo a ser candidato nas eleições de 2018, Mendes atribui este reconhecimento ao desempenho de sua gestão considerada bem avaliada pelos cuiabanos.

“Eu fico feliz com essa lembrança do meu nome para o pleito. Talvez isso seja reflexo da nossa gestão como prefeito de Cuiabá. Ter o nome citado é algo nos lisonjeia, mas a questão de candidatura tem um longo caminho pela frente e eu neste momento não estão debruçado sobre isso e sobre essa decisão”.

 

fonte  gd

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *