Em um ano Cuiabá registrou um aumento de 7% no diagnóstico de casos novos de Aids, se comparado ao período de janeiro a novembro de 2015. Foram 385 no ano anterior e este ano já são 413 novos casos, segundo dados do Serviço de Atendimento Especializado (SAE). Atualmente 3.559 pessoas com HIV estão cadastradas no SAE.

A doença avança no Brasil em todas as faixas etárias e preocupação maior é entre público masculino jovem. Em Mato Grosso, são mais de 9 mil portadores. Hoje (01/12) é o Dia Mundial de Luta contra a Aids/HIV.

Cuiabá é a cidade em que mais foram diagnosticados casos. Este ano foram registrados 446 casos de Aids em adultos no Estado, de acordo com dados da Vigilância Epidemiológica da Secretaria Estadual de Saúde (SES).

Para o HIV em adulto, no mesmo período, foram notificados 632 casos, sendo os municípios com as maiores notificações Cuiabá, Sinop e Várzea Grande.

Já, em relação a incidência da doença o maior número de registros ocorre em Cuiabá, Rondonópolis e Várzea Grande.

Em todo país, cerca de 372 mil pessoas não estão em tratamento e 260 mil já sabem que estão infectadas. A falta de diagnóstico da doença estima-se afetar cerca de 112 mil pessoas que desconhecem ser portadores do vírus ou da doença.

Dados do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids) apontam que a população vivendo com a doença no país passou de 700 mil, em 2010, para 830 mil em 2015, com 15 mil mortes por ano.

O Brasil é o país da América Latina que mais concentra casos de novas infecções por HIV na região, cerca de 40% dos novos casos.

Dados do Ministério da Saúde mostram que a faixa etária mais vulnerável é de homens entre 20 a 24 anos, onde a taxa de detecção do vírus dobrou entre 2005 e 2015, passando de 16,2 casos por 100 mil habitantes para 33,1 casos por 100 mil, em todo o País.

Entre a faixa etária de 20 a 24 anos, a taxa de detecção do vírus dobrou entre 2005 e 2015, passando de 16,2 casos por 100 mil habitantes para 33,1 casos por 100 mil.

O lado positivo é a queda da infecção em mulheres jovens de 25 a 29 anos apresentou a maior redução. Em 2005 eram 32, em 2015 eram 16 casos por 100 mil habitantes

Em 2006, para cada 1 caso em mulher, havia 1,2 casos em homem. Em 2015 essa razão é de 1 caso em mulher para cada 3 casos em homens.

Outro dado expressivo apresentado é a queda 42,3% na mortalidade em 20 anos. O incentivo ao diagnóstico e ao início precoce do tratamento, antes mesmo do surgimento dos primeiros sintomas da doença, refletiram na redução dessas mortes.

Programação do Dia Mundial de Combate a Aids

Na Capital a programação será desenvolvida no Parque Mãe Bonifácia, entre 7h e 12h desta quinta-feira (1).

Equipe multiprofissional composta por enfermeiro, assistente social e fisioterapeuta, fará aferição de pressão, distribuição de kits com preservativos masculinos e femininos, gel lubrificante e folders de orientação sobre a AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis.

Em Várzea Grande, a secretaria de Saúde do município oferecerá realização de Teste Rápido para HIV à população. Será em período integral, no Centro de Especialidades Médicas (CEM), na avenida Filinto Muller, número 1339.

 

fonte ; gd

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *