Cerca de 300 mulheres ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) em Mato Grosso protestaram nesta terça-feira (8) em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, contra o uso de defensivos nas plantações agrícolas em todo o estado. Encapuzadas e com placas nas mãos, elas se reuniram em frente a uma fábrica de produto químico e picharam o muro do estabelecimento.

saiba mais

A empresa classificou o ato como vandalismo e informou, por meio de assessoria, que todas as atividades são desenvolvidas com licenças ambientais para garantir a qualidade do produto e do meio ambiente.

Segundo Lucineia Freitas, coordenadora do MST na região, a empresa já contaminou a água de outras cidades onde tem sedes. “Os mananciais subterrâneos foram contaminados, as águas de superfícies também. A população recebia a água, mesmo que tratada, contaminada por oito venenos”, afirmou.

Maioria delas protestou com o rosto coberto para chamar a atenção sobre os males dos agrotóxicos (Foto: Reprodução/ TVCA)Maioria delas protestou com o rosto coberto para
chamar a atenção sobre os males dos agrotóxicos
(Foto: Reprodução/ TVCA)

O protesto teve início na BR-163 em frente a essa empresa, que produz e distribuiu os defensivos. No local, elas pediam o fim do uso dos produtos e químicos e protestaram contra a corrupção. As manifestantes bloquearam a entrada dos funcionários da empresa e picharam parte do muro da empresa.

Em seguida, elas caminharam pelas ruas da cidade e pararam em frente à prefeitura da cidade solicitando o apoio dos políticos na “luta para salvar o meio ambiente”.

A manifestação faz parte de uma série de protestos realizados em todo o país, organizada pela Jornada Nacional de Lutas das Mulheres Sem-Terra.

Fonte : G1 MT

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *